Pare de sofrer com disfunção sexual – descubra o Tantra

A falta de educação sexual, e a visão do sexo como tabu e peste social, acaba por deixar uma série de marcas no comportamento de homens e mulheres do mundo todo. Muitos desses comportamentos acabam ficando ainda mais arraigados à sexualidade, trazendo vários transtornos para homens e mulheres no momento de intimidade. Um momento que deveria ser unicamente sobre relaxamento, acaba virando uma experiência de grande tensão. Assim abrimos a porta para uma série de disfunções sexuais.

Existem várias, de todos os tipos; aquelas que assolam homens mais velhos, as que estão com as mulheres em diferentes estágios da relação sexual desde o início da vida ativa. Falta de desejo, incapacidade de excitação, ejaculação precoce, dor durante a penetração, anorgasmia são só alguns desses males que se manifestam antes, durante ou depois do sexo. E embora alguns desses transtornos tenham realmente origens fisiológicas, que carecem de intervenções cirúrgicas ou medicamentosas, a maioria deles é fruto de experiências traumatizantes. Nesses casos, o tratamento de disfunção sexual mais comum é a psicoterapia ou psicanálise.

Na nossa vivência aqui na Casa Samadhi, somando nossos quase 10 anos de experiência lidando diariamente com casos de disfunções sexuais diversos, podemos dizer sem pestanejar que 99% das queixas associadas a esses males tem origem e sintomas exclusivamente mentais. Não existe um problema fisiológico, muscular, hormonal, alguma lesão que impossibilite o transporte dos sinais neurais, nada. Apenas uma crença – ou melhor, um conjunto de crenças – que interferem no sistema orgânico na presença do sexo, mudando os batimentos cardíacos, a respiração, a musculatura, os hormônios que são ativados, etc.

Mas o que pouca gente sabe é que existem outras formas, chamadas de terapias alternativas ou holísticas, que podem ajudar e muito no tratamento dessas disfunções. Sistemas que olham para o corpo de maneira integrada e vão procurar resolver o mal pela raiz, e não pelo sintoma! A Terapia Tântrica é um bom exemplo. O tratamento meditativo que essa terapia oferece, combinado com a carga de bioenergia que as práticas tântricas produzem, começam a alterar a estrutura da anatomia emocional e possibilita uma nova experiência com a sexualidade. 

Há algo que ajuda a tornar comum a manifestação de todos esses distúrbios; a falta de instrução que temos a respeito da sexualidade humana, sobrecarrega a nossa mente com informações e desinformações a respeito de sexo. Assim, acabamos por transferir a responsabilidade do centro sexual do nosso corpo para a nossa mente. Mesmo durante o ato sexual, somos pegos imaginando, fantasiando a respeito de sexo, de tal maneira que somos desassociados do momento presente. Essa influência da mente no processo abre espaço para inseguranças, medos e, consequentemente, as disfunções que vimos acima.

E é assim que a eficiência do Tantra nesses tratamentos se justifica; com as suas práticas, meditações, massagens e demais recursos o Tantra vai, pouco a pouvo, ensinando o copor a se livrar da influência da mente, tornando o sexo – como todo o dia a dia – menos pensado e mais sentido.

Disfunção sexual e meditação?

É possível resolver diversos sintomas das disfunções sexuais com o tratamento meditativo. Vale lembrar que existem diversos conceitos e ideias sobre meditação e que, embora muitas possam ser úteis nesse processo, o trabalho que apresenta resultados mais notáveis e rápidos é o treinamento com a meditação tântrica. Ela vai combinar movimentos do corpo com respiração, som, o estímulo de alguns sentidos e tantos outros aspectos para criar uma conexão corpo-consciência alterada.

O processo de sobrecarga mental na vivência da sexualidade, quando acontece com repetição e por muito tempo, começa a dessensibilizar o corpo, as zonas erógenas e vários outros receptores conectados com a excitação. Nosso corpo aprende por repetição; se você vivenciar a sua sexualidade na cabeça, o corpo vai aprender que você não precisa dele naquele momento, e vai fazer outra coisa. A ideia no tratamento com o Tantra é que o paciente sinta a sua sexualidade em perspectivas diferentes. Tenha uma experiência nova usando apenas o próprio corpo.

Todos nós temos um chakra – um centro de energia – localizado na base da coluna que é o nosso verdadeiro centro sexual, mas não conhecemos seu verdadeiro sentido e poder e, inconscientemente, substituimos o Muladhara pela mente. Uma vez que fazemos a reconexão com a energia desse chakra, que reaprendemos a senti-lo, o corpo assume a responsabilidade da condução dessa energia, deixando a mente tranquila para contemplar a relação com consciência e percepção ainda mais aguçadas.

Quanto mais mergulhamos no campo sensorial da experiência, menos damos chance para as complicações mentais – e suas consequentes disfuncões – se manifestarem. E no desenvolver desse processo, diversos conceitos e paradigmas que tínhamos arraigados na cabeça começam a cair por terra. As couraças que nos reprimem, que travam o nosso corpo, começam a dissolver e tudo fica mais fluido. Assim, a confiança aumenta, o medo vai embora e é possível experienciar um outro nível de relação sexual, com mais entrega, vulnerabilidade e que sensibiliza todo o corpo.

Quanto mais você sente, menos você pensa. Quanto menos você pensa, menos espaço você dá para qualquer disfunção sexual se manifestar.

A terapêutica tântrica ajuda a desprogramar todos esses conceitos que a nossa mente impõe ao nosso corpo. Aquele toque que causava desconforto, a vergonha que temos diante da própria nudez, tudo isso vai, pouco a pouco, se desfazendo na medida em que nos aprofundamos nessas práticas. Assim, é possível conhecer uma nova forma de prazer que não dependa dos nossos estímulos mentais, mas que integra todo o nosso corpo. E o melhor: sem contra-indicações ou efeitos colaterais.

Quem escreve?
Terapeuta e Coordenador da Casa Samadhi
Encontrei no Tantra um caminho de cura muito profundo; desde as minhas primeiras práticas em 2004 percebi que o Tantra tinha um potencial de aliviar muitas das minhas neuroses e compulsões ligadas à sexualidade. Desde então não parei de mergulhar. Em 2013 comecei as práticas em grupo e minha capacitação em Terapia Tântrica. De lá pra cá são 5 anos de pesquisas práticas, muita meditação e transformações acontecendo no meu comportamento e no meu corpo. Continuo vivenciando o Tantra todos os dias e procurando novas referências para especializar o trabalho que desenvolvemos na Casa Samadhi. Desde 2014 que facilito grupos de Tantra, Renascimento e Meditação, não só no Brasil mas em alguns lugares da Europa. Sou escritor, músico, e procuro trazer bastante sensibilidade na minha presença terapêutica.